Os motivos são muitos e muito importantes, mas poderíamos sintetizar tudo em uma frase: Para aprender, a criança precisa experienciar dentro de um universo permeado por signos e significados da sua compreensão. A frase é de uma redatora comum, mas a teoria vem de estudiosos e de décadas e décadas de estudos totalmente focados na infância, e não só com atenção ao ensinar uma criança, mas, principalmente, em como se dá o seu processo de aprendizado.

E, resumidamente, tudo acaba girando em torno de uma palavra muito expressiva quando o assunto são os pequenos: o lúdico. Sim, é comprovado: criança aprende brincando. São os estímulos e as provocações recebidas nas diversas brincadeiras para as variadas faixas etárias que desencadeiam o processo de aprendizado infantil. É por isso que podemos citar como o ponto número um num processo de escolha de ambiente para a educação na primeira infância o de se a escola está preparada, em questão de estrutura física e materiais, para proporcionar às suas crianças o brincar, o que, normalmente, encontra-se nas escolas de educação para crianças dos 0 aos 6 anos de idade. É importante que a escola tenha, inclusive – e principalmente! –, o brincar – num sentido mais amplo – muito presente em sua proposta pedagógica, que deveria ser conhecida por todos os pais no ato da primeira visita à escola.

Tão importante para o desenvolvimento e aprendizado da criança quanto o brincar é criar um vínculo com a escola. Nesse caso, não se trata apenas da criança, e sim, da família como um todo. É importante que a família sinta confiança na escola a ponto de ambas estabelecerem uma união em prol do cuidado e educação de suas crianças. E isso se torna muito mais simples numa escola específica para a educação infantil, onde o acesso dos pais aos professores e coordenadores pedagógicos é muito mais fácil e a troca de informações e ideias é favorecida. Se os pais criarem esse vínculo, a criança, por consequência, o criará também, sentindo-se totalmente à vontade, como se a escola fosse uma extensão da sua casa.

É realidade, também, que nas escolas especializadas na educação de crianças da primeira infância, os professores e toda a equipe pedagógica são escolhidos com muito critério, exigindo-se que estes sejam profissionais com profundo conhecimento teórico sobre a infância e, por outro lado, que tenham a sensibilidade necessária para prover o cuidado, o acolhimento e o afeto que os pequenos precisam e têm reconhecidos como direito. Afinal, para cuidar, educar e promover com êxito o desenvolvimento de crianças pequenas, é preciso entender com clareza a sua natureza, o que só é possível tendo o conhecimento sobre todos os seus aspectos: o psicológico, o físico, o motor e, é claro, o emocional, que é o jeitinho de ser de cada um dos pequeninos. Por esta razão, nas escolas voltadas para a educação infantil, sempre há o trabalho de uma equipe multidisciplinar que estabelece as diretrizes do trabalho a ser realizado, acompanhando todo o caminho percorrido. Nesse âmbito inclui-se, inclusive, o acompanhamento nutricional realizado por profissionais especializados.

É, em suma, um cerco de cuidados e estímulos totalmente desenvolvidos para proteger e despertar o interesse das crianças pelo conhecimento do mundo em que vivemos, realizados num contexto de um grande “Faz-de-conta e Era uma vez...” que só as pessoas certas conseguem promover. É isso: as escolas de educação infantil buscam, não colaboradores, e sim as “pessoas certas”.

Por fim, existem os demais fatores que influenciam - talvez não de forma tão direta, mas são fundamentais! - no bem estar e aprendizado dos pequenos. Pontos como a segurança do espaço físico e a certeza de que a saída para a rua é dificultada, as condições de luz natural dos ambientes, a higienização de todas as salas, cozinha, banheiros, tudo mantido com cuidados redobrados para proporcionar a segurança e a manutenção da saúde das crianças pequenas que ainda não conhecem perigos e não tem a sua imunidade totalmente estabelecida. Também, ressaltando que um ambiente menor sempre é mais acolhedor.

Esse é, na verdade, um assunto que poderíamos continuar discorrendo por horas, pois são muitos os fatores a se discutir. Mas acreditamos que, abordando esses tópicos imediatos e essenciais, tenhamos podido ao menos despertar mais questionamentos na sua forma de pensar sobre o assunto e contribuído para uma decisão mais assertiva na escolha de uma escola para seu filho pequeno, onde ele possa receber o melhor serviço educacional e obter o melhor desenvolvimento nos seus primeiros anos de vida, fase essa extremamente importante para a formação de um adulto completo, saudável, capaz e feliz.