A notícia de uma nova gravidez desperta diferentes sentimentos em toda família. Ao mesmo tempo em que existe felicidade em ter um novo filho também existe o temor de como será essa nova realidade, principalmente no que se refere ao filho mais velho diante da chegada desse novo irmão.

Por isso, quanto mais tranquilo puder ser dada a notícia e administrada essa situação, melhores as chances desse momento ser vivenciado mais naturalmente pelo filho. Seguem algumas dicas para auxiliar nesse processo tão importante:

De forma sucinta, conte ao filho que ele ganhará um irmão ou irmã e, ao mesmo tempo, um amigo que conforme for crescendo irá brincar com ele.

À medida que a barriga for aparecendo vá contando que o bebê está crescendo e que já é possível  escutar tudo o que acontece ao seu redor. Estimule, sem forçar, que ele possa conversar com o bebê, explicando que ele já sente o carinho do irmão.

Não esperem apenas manifestações amorosas do filho para o irmão que está chegando. Mesmo que ele tenha pedido um irmão, passado a fase inicial de encantamento com a novidade, serão vivenciadas diferentes fantasias de acordo com faixa etária que se encontra a criança. Pode aparecer medo que os pais possam dar mais atenção ao bebê do que a ele, que possa vir perder amor e atenção, que tenha que emprestar os brinquedos, enfim, que o mundo conhecido não seja mais o mesmo.

É importante que a criança possa manifestar esses sentimentos e de preferência antes do irmão nascer. Digam que embora o bebê exigindo cuidados, vocês pais continuarão tendo tempo para ele. Mostrem fotos de quando ele era bebê, conversem sobre como foi o seu nascimento.

Pode ser que inicialmente ele fique mais apegado aos pais ou apresente dificuldades para dormir. Também é comum o aparecimento de comportamentos regressivos, como falar infantilizado, regredir no controle dos esfíncteres, chorar para ir à escola. Diante disso, cuidado com as críticas e a intolerância com esses comportamentos regredidos, pois serão superados à medida que a segurança for sendo adquirida novamente. A ausência dessas manifestações pode ser preocupante, pois pode indicar que a criança esteja se sentindo tão ameaçada e reprimida a tal ponto, que não consiga expor seus sentimentos.

Permitir a participação da criança desde a escolha do enxoval ao nome do irmão visando incluí-la nessa nova situação familiar.

Outra dica é evitar qualquer alteração na vida da criança, como entrar para a escola, mudar de quarto, tirar à fralda, o bico, a nana, perto da chegada do novo irmão.      

No hospital o irmão deve conhecer o bebê na maternidade assim que for possível. Pode dar e receber um presente do novo irmão.

Apesar das crianças gostarem de ajudar nos cuidados com o bebê, procure não super valorizar esses comportamentos, deixando bem livre quando querem ou não ajudar. 

É importante manter a relação com o filho mais velho. Combine atividades para fazer somente com ele. Jogar um jogo, ler um livro, enfim, uma atividade que goste de fazer em família. Esses momentos são especiais e fazem com que o irmão mais velho perceba que ainda é possível ter atenção exclusiva, mesmo que agora tenha que se adaptar à nova rotina, principalmente aprender a dividir o mesmo espaço.

Todos esses intensos sentimentos tendem a diminuir com o passar do tempo e em alguns meses o irmão mais velho perceberá que está realmente integrado à família, que faz parte dela e então a relação com o novo irmão poderá se desenvolver cada vez mais naturalmente, sendo vivenciados momentos de cumplicidade, rivalidades que são naturais desta fase, pois irão se tornar grande amigos.