Dentre os seis direitos de aprendizagem mencionados pela BNCC (Base Nacional Comum Curricular) para as crianças de 0 a 5 anos e 11 meses - conviver, brincar, participar, explorar, expressar, conhecer-se – selecionamos o “brincar” como nosso tema para este texto.

Então, se a pergunta é se a escola da infância é lugar de brincadeira, a resposta é SIM! A escola para crianças pequenas deve ser um agente que expanda as oportunidades de a criança ampliar suas aprendizagens através das brincadeiras, experimentos e do seu relacionamento com outras crianças, adultos e consigo mesmas.

Na BNCC encontramos a referência sobre o brincar na escola da primeira infância, da seguinte forma: “Brincar cotidianamente de diversas formas, em diferentes espaços e tempos, com diferentes parceiros (crianças e adultos), ampliando e diversificando seu acesso a produções culturais, seus conhecimentos, sua imaginação, sua criatividade, suas experiências emocionais, corporais, sensoriais, expressivas, cognitivas, sociais e relacionais.”

A menção feita ao brincar refere-se ao fato de que é na brincadeira - natural da infância e assegurada como direito nesta fase da vida da criança - que muitos aprendizados acontecem, não somente de caráter cognitivo ou intelectual, como também no que diz respeito ao encorajamento às iniciativas, à tomada de decisões e à resolução de conflitos sociais e exploração do ambiente onde está inserida.

Neste sentido, a escola da infância deve oportunizar momentos em que o brincar seja garantido. Esse brincar evidencia a seriedade deste ato, que não é solto e sem sentido, pois demanda um planejamento, não sendo considerado como perda de tempo e sim como ganho de vida e experiências.

Através do brincar a criança explora e desenvolve sua criatividade, em seu próprio tempo, criando suas próprias brincadeiras. No brincar, tudo é possível, bastando uma pitada de imaginação e materiais disponíveis ao acesso das crianças, onde um simples chá da tarde feito por elas mesmas transforma-se em um aprendizado com muitas risadas e conversas.

Acreditamos que seja por meio das vivências plenas e afetivamente significativas que o brincar oportuniza é que as crianças crescerão de forma saudável, aprendendo a se relacionar com outras pessoas e com o mundo; e nada melhor que o brincar para evidenciar todas essas conquistas.