Durante nosso dia a dia, é possível vermos muitas propostas envolvendo as linguagens artísticas em nosso Ateliê Sapeca e nos outros espaços da nossa escola. Visualizando as crianças trabalharem com pintura ou em processos com argila, por exemplo, a percepção é de muito movimento! Ações como estas parecem buscar algo cujo o resultado não se sabe qual será, as crianças próprias não sabem. Entretanto, algo as mobiliza: um afeto, uma sensação, um sentimento.

As experiências com arte compõem a rotina da educação infantil desde os bebês até as crianças maiores, possibilitando a escolha de brincar, representar e até inventar durante o seu contato. Além disso, a arte como linguagem permite que a criança expresse por meio de diferentes elementos a sua criatividade e imaginação, fatores que têm um papel fundamental neste percurso.

Na criação de um desenho, pintura ou outra linguagem, a criança demonstra suas emoções e sensações, possivelmente até as mais profundas, pois este momento é uma forma de narrar, dar sua opinião e até mesmo contar uma história. Em seus estudos, o filósofo, educador e escritor de vários estudos sobre educação, arte, religião, psicologia John Dewey afirma que a arte é realizada através das interações com o meio e com a matéria, possibilitando uma mobilização muito significativa. Sendo assim, a arte como propulsora de aprendizagens não é algo que ocorre de forma isolada, ela engloba o sentir, ver, pensar, falar e ouvir; além da coordenação, equilíbrio e motricidade.

Estudos nas áreas da educação e arte abordam que o uso contínuo das linguagens artísticas na educação infantil traz consigo muitos benefícios para o desenvolvimento cognitivo, motor e socioemocional.

Porém, essa abrangência e contato com diversos materiais permite também o desenvolvimento da interpretação, aguça o senso estético e crítico, estimula o raciocínio e estabelece vínculos afetivos, fortalecendo a autoestima e a sensibilidade da criança. Cabe ressaltar que a arte não deve ficar restrita ao campo visual, é necessário oferecer um amplo repertório presente nas outras linguagens artísticas como: Teatro, dança e música.

Outro ponto a ser destacado é a mediação com os mecanismos que a arte nos possibilita diariamente, muito presente em nossas propostas enquanto escola Esconderijo Sapeca e no meu caso como educadora. Acredito que a postura do adulto mediador seja imprescindível na organização do ambiente e na produção de situações, propostas  e provocações. Mas, acima de tudo fica evidente que é preciso dar o direito à criança de se expressar do jeito dela e com a estética que lhe for adequada.

Destaco por fim, que ter um ambiente propício à criatividade e a expressão fazem total diferença para mobilizar os sentidos, enriquecer as experiências e promover encontros com diferentes linguagens no público infantil. Em minha prática como educadora, sinto-me grata por vivenciar esta realidade que alimenta a imaginação, respeita a infância e aventura-se na arte como experiência para  ir além do habitual,  contempladas  pela proposta pedagógica da Esconderijo Sapeca.